09 Abril 2009

É uma frase recorrente, pelo menos nos últimos meses do mandato de qualquer governo, que não deve tomar decisões que tenham impacto no futuro, e normalmente estão a ser referidas obras publicas.

Ainda não consegui entender bem este 'pedido', e por duas ordens de razões:

- se existe um mandato temporal a responsabilidade no 1º. dia é igual á responsabilidade no ultimo dia. De igual modo para o poder e autoridade da qual foi investido.

- os investimentos públicos em infra-estruturas têm diluídos os custos de investimento por mais do que o mandato de qualquer governo, normalmente, bem como os seus custos de manutenção e exploração repercutem-se durante muitos anos (normalmente de 20 a 50, quando não mais).

Estes são os motivos pelo qual não entendo  a limitação à autoridade, poder e capacidade de decidir, que se 'exige'. Há sempre a possibilidade de limitarmos o período dos mandatos, ou limitarmos a capacidade de decidir, seja no final (pelos motivos que são normalmente referidos) seja no inicio (por desconhecimento óbvio).

Parece disparate, não?.

publicado por RPF às 08:38

subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

3 seguidores

pesquisar
 
Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9