20 Junho 2008

Sei que já comentei esta noticia mas mesmo assim não resisto a tecer mais um comentário:

Vejam só se tivessem concorrência?

 


20 Junho 2008

Ontem fui à apresentação, e inicio das obras, da recuperação do antigo Convento das Bernardas, em Tavira.

Este é um projecto que vale a pena apesar da sua futura utilização ser para habitação (também o que queremos se já não há freiras).

É um bom exemplo de que a recuperação de edifícios antigos, e com um passado e história, podem ser recuperados e aproveitados com outro fim.

Quando forem a Tavira vão lá para poderem recordar a ruína que era e o que virá a ser no futuro.

 

publicado por RPF às 11:04

20 Junho 2008

Tenho lido vários comentários que atribuem, como sempre, culpas a um leque variado de jogadores (não fizeram isto, não fizeram aquilo, etc.) bem como ao treinador.

Por acaso o principal responsável pela derrota de Portugal não terá sido a ALEMANHA?.

Qualquer jogo tem uma carga elevada de imprevisibilidade (ou não) mas cada equipa tenta levá-lo para onde as fraquezas do adversário são maiores, e foi isso que aconteceu.

Não nos podemos nunca esquecer, e fazemo-lo frequentemente que o opositor também existe.

 Francisco Abreu (in Pensar a Estratégia, do Politico-Militar ao Empresarial) retrata muito bem o que quero dizer, e passo a transcrever:

 

"Também aceitaremos, presumo que sem hesitar, que tudo o que fizermos está sujeito às respostas ou reacções do nosso antagonista, quer dizer:

- o inimigo existe (se estivermos sozinhos, seremos senhores de um império ou de um monopólio)

- raramente estará adormecido (porque razão estaremos nós vigilantes e ele a dormir?)

- está tão interessado como nós em ganhar (não se percebe porque razão seremos nós ambiciosos e ele não)

- apenas por ingenuidade o consideraremos inepto (porque razão, numa determinada batalha em concreto, seremos nós os portadores do génio e da inteligência, enquanto ele, coitado, estará embrutecido?)

Daqui resulta que é uma questão elementar de precaução pressupor o seguinte : a qualquer vantagem que possamos obter, responderá ele, tendencialmente, com uma vantagem pelo menos equivalente que pode anular ou superar a nossa vantagem original"

 

Tivemos capacidades individuais, capacidades colectivas e vontade/determinação e também tivemos pela frente a Alemanha.

 

 

publicado por RPF às 10:31

subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

3 seguidores

pesquisar
 
Junho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14