19 Novembro 2008

Tenho ouvido, assim como todos, que a maior critica à avaliação de professores não é a avaliação mas sim a burocracia que lhe está associada.

Ora para estas coisas nada melhor do que aferir o que é dito.

Assim fui, finalmente, ler a lei regulamentar da avaliação de professores (que vos deixo aqui para consulta) e a regulamentação, por despacho, sobre as fichas (que podem ler aqui).

A não ser que haja mais alguma legislação, que desconheço, então a burocracia não é criada pelo Ministério mas sim pelas escolas e Agrupamentos, que são quem define os restantes documentos de registo.

Será assim?.

Deve ser porque só assim é que se justifica que haja escolas e agrupamentos a fazer e outros onde a 'vontade' parece ser pouca e, como tal, ligaram o complicómetro.

Esta opinião é formada com os dados que tenho disponíveis, se por acaso há algo que desconheça, e que possa influenciar de forma decisiva o que acima referi, então solicito que me informem. Quem souber algo que eu não saiba .....

 

publicado por RPF às 09:20

19 Novembro 2008

Não há volta a dar.

Este é o tema dominante da vida em Portugal actualmente.

Todos temos uma opinião e não nos devemos coibir de a dar.

Eu assumo que não conheço o modelo de avalaição e os aspectos burocráticos envolvidos, e ao fim deste tempo ainda nenhum dos lados o explicou, porque será?.

No entanto há uma coisa que sei : eu quero os dirigentes do País para dirigir e não para serem 'dirigidos' pela contestação de minorias actuantes ou pela 'rua'.

E afinal qual é o modelo que alternativo que se pretende? O espanhol? o italiano? o inglẽs? o .... (AH! nenhum deste pode ser adoptado porque o modelo de gestão das escolas em Portugal é 'mais democrático' do que nesses paises).

Ainda não entendi.

Mas na base o que está em causa não é o modelo de avaliação nem o modelo de organização/gestão das escolas (ainda ninguém disse uma palavra sobre este tema importantissimo) mas sim um conflito.

Ora os conflitos têm regras próprias seja em termos de acção seja em termos de escalada (i.e. causa efeito e resposta).

E este parece ser o tema importante 'o conflito' e não a reforma do sistema educativo publico em Portugal.

Vamos ver os próximos capitulos.

 

publicado por RPF às 07:14
tags:

19 Novembro 2008

Após ter ouvido o responsável dos sindicatos da educação bem como os pré avisos de greve e as suspensões da avaliação por plenário dos professores, entendo que o problema não é a avaliação, que os professores não querem seja ela qual for, mas sim o modelo de gestão das escolas e a sua responsabilização perante a sociedade, que a custeia.

Na realidade as escolas transformaram-se em feudos dos professores e funcionam segundo uma modelo de autogestão do professorado.

Só isto justifica o que temos vindo a assistir sobre a suspensão das avaliações, até quando a responsabilidade da burocracia é das escolas (i.e., das assembleias de professores) e dos agrupamentos escolares (i.e., das assembleias de professores em maior numero).

Até quando iremos deixar que isto aconteça?.

 

publicado por RPF às 07:05

subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

3 seguidores

pesquisar
 
Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9