05 Fevereiro 2010

Ao ler o livro 'Como sair da crise – Alentejo e Algarve' de Jack Soifer, fui alertado por uma frase da autoria de Eduardo Rath Fingerl : “Os activos importantes para a geração de valor, hoje não estão no balanço “.
Uma mais cuidada análise à frase diz-nos que existe uma discrepância, cada vez mais profunda, entre os balanços das empresas e a sua capacidade de virem a ter sucesso no futuro.
Ora o balanço e a demonstração de resultados, os dois grandes instrumentos de análise de uma empresa, mostram-nos o passado suportado nas transacções de bens/serviços que realizaram (sejam receitas, despesas, património tangível, stocks, dividas a fornecedores e de capital, reservas, etc...) e não vai para além disso.
Se no passado a criação de valor era conseguida por recursos naturais, mão de obra e capital intensivo, na actual economia os aspectos relacionados com o conhecimento, inovação, processos de gestão e redes de relacionamento são os que mais valor transmitem aos produtos/serviços.
Actualmente as capacidades de crescimento e futuro de uma empresa são mais aspectos intangíveis : qualificação e motivação dos recursos humanos, criação de parcerias com clientes/fornecedores/universidades, gestão, 'valor' dos clientes, tecnologias, relacionamento com clientes e fornecedores, etc.
Estes dados não constam dos balanços nem das demonstrações de resultados, apesar de serem os mais importantes influenciadores dos resultados, actuais e futuros.
Será que no futuro vamos ter um balanço que consiga integrar ;  o que nos mostra o passado, as transacções financeiras efectuadas e os bens tangíveis existentes ao mesmo tempo que identifica e analisa o 'capital intangível' e que mostre as perspectivas de crescimento da empresa através da análise das suas capacidades individuais, colectivas, de relacionamento e estratégicas
Muito provavelmente teríamos uma visão diferente de cada empresa, daquela que temos actualmente.

publicado por RPF às 10:41

04 Fevereiro 2010

Felizmente alguém teve o bom senso de recuar com esta proposta que era, no mínimo, escandalosa.

A seguir vinham com quê?

Talvez a colocação de WebCam's na residência de todas as pessoas para aferir o seu comportamento 'moral'.

A devassa publica da privacidade tem limites e a sociedade não tem o direito se 'ultrajar' as liberdades individuais.

BASTA.

 

 

publicado por RPF às 10:26
tags:

03 Fevereiro 2010

Os problemas de sustentabilidade da segurança social é um problema actualmente, e no futuro.

O debate sobre o modelo social europeu não é efectuado nem em Espanha nem Portugal.

O actual modelo é piramidal, quem está reformado cobra aos que trabalham.

Temos receio de que rentabilizar os descontos possa ser arriscado porque as empresas privadas poderão fazer 'malabarismos' com esses valores e poderemos perdê-lo, mas isso não é o que os políticos fazem?

Vejam este video do debate entre Juam Rallo, Director do Observatório de Conjuntura Económico do Instituo Juam de Mariana e Javier López, Secretário Geral das Comissões Operárias de Madrid:

 

publicado por RPF às 10:58

02 Fevereiro 2010

Um dos temas mais discutidos, pelo menos nas redes sociais, é a falência das previsões, ora sobre o PIB, ora sobre o deficit publico, ora sobre ....
Quando leio a maior parte dos comentários fico com a sensação de que , a grande maioria dessas pessoas, nunca traçou um plano, nem definiu objectivos e resultados expectáveis.
E porquê?
Porque uma das premissas bases de um plano (previsão) é a definição do quadro (ambiente) sobre o qual se está a trabalhar.
E este é um dos aspectos mais importantes no acompanhamento (controlo e correcções ao plano) durante a sua execução.
É óbvio, para quem já trabalhou nestas áreas, que nos pontos de controlo se aferir que as condições (ambiente) mudaram então só resta redefinir as acções e objectivos que tinham sido definidos.
Um plano, as sua metas/objectivos e resultados esperados, é uma entidade viva e em movimento adaptando-se ao ambiente em que decorre, e não um papel 'divino' escrito que não se altera.
Parece ser este o 'mal' de que enfermam muitos dos que tecem criticas sobre as previsões.
Uma previsão é uma expectativa de resultados a atingir por um leque de acções definidas e num ambiente que se altera num 'determinado' sentido. Nada mais que isso.
 

publicado por RPF às 11:29
tags:

subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

3 seguidores

pesquisar
 
Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
19
20

21
22
25
27

28